Vamos inovar os métodos de ensino para despertar o interesse nos alunos

Professores novatos e os de longa estrada encontrarão preciosas dicas de ensino para melhorar a qualidade das aulas e a participação dos alunos, transformando-os em questionadores e formadores de opinião.

O objetivo é trocar experiências, conteúdos, críticas e sugestões, de modo que os profissionais de ensino fiquem por dentro de como se inicia uma aula incentivadora, sem dar espaço a métodos ultrapassados

"Aprender é descobrir aquilo que você já sabe. Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você!" (Paulo Freire)
A informação é a melhor arma que enriquece o conhecimento
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

História

Para quem leciona História, eis a lista abaixo dos assuntos já publicados:

1 - Como se inicia a primeira aula de História (em texto)
(http://espadoca.blogspot.com.br/2016/05/como-iniciar-primeira-aula-de-historia.html)

2 - Como se inicia História no primeiro dia do ano letivo - 1ª Parte (em videoaula)
(http://espadoca.blogspot.com.br/2017/02/como-iniciar-historia-no-primeiro-dia.html)

3 - Como se inicia História no primeiro dia do ano letivo - 2ª Parte (em videoaula)
(http://espadoca.blogspot.com.br/2017/03/como-iniciar-historia-no-primeiro-dia.html)

4 - Como se inicia História no primeiro dia do ano letivo - 3ª Parte (em videoaula)
(http://espadoca.blogspot.com.br/2017/03/como-iniciar-historia-no-primeiro-dia_3.html)

5 - Como se inicia História no primeiro dia do ano letivo - 4ª e última parte (em videoaula)
(http://espadoca.blogspot.com.br/2017/05/como-iniciar-historia-no-primeiro-dia.html)
Leia o texto completo

Como iniciar a primeira aula de História

Muitos professores em início de carreira ou aqueles aprovados concurso público, mesmo atuantes em muitos anos em escolas particulares, por exemplo, possuem um pouco de dificuldade sobre qual assunto introduzir no primeiro dia do ano letivo, ou quando pegam turmas no meio do ano, após o recesso do primeiro semestre.

Por falta de orientação adequada, de estímulo ou de ânimo, a maioria não tem ideia de como dar o primeiro passo e já começa distribuindo matéria no quadro. Esse comportamento tão comum na vida do profissional de ensino pode causar tédio nos alunos que podem julgar as aulas de História como desnecessárias à vida fora do ambiente escolar.

Aqui no Brasil existe uma cultura distorcida em que um estudante que almeja ser engenheiro, por exemplo, não associa a História como prioridade na sua carreira, e sim atribuída a Ciências Exatas - Matemática, Física, Química e noções de Estatística. Para desmitificar isso, é importante mostrar ao aluno de ensino fundamental e médio as razões do conhecimento de fatos passados e seus personagens marcantes, desde o descobrimento do Brasil até a época atual, inclusive de outros países.

Se hoje um fato está ocorrendo é consequência de algo há 10 anos que contribuiu no surgimento desse acontecimento. O exemplo marcante é a corrupção que machuca tanto o cidadão diariamente, e que resulta de práticas ilícitas de governos anteriores. Se atualmente um estado, município e país possuem endividamentos, quais foram as causas que levaram a isso?

Muitos que concluem a vida escolar não aprenderam de forma eficaz o que é um país comunista, capitalista, democrático, além dos termos "fascismo", "nacionalismo", "nazismo" e demais outros.

Devemos frisar que não se deve estudar História apenas para passar de ano ou para prestar algum exame de ingresso à universidade. O conhecimento serve para entender como um fato levou a outro fato.

A graça maior é estar por dentro da disciplina com o intuito de adquirir poder de argumentação na hora de conversar com as pessoas sobre os rumos que um determinado país segue, ou seja, ter conhecimentos básicos de política e economia, não necessariamente para chegar a ser um grande especialista, apesar de ser super importante tornar-se um bom conhecedor de fatos que marcam a história do Brasil e do mundo.

É também fundamental a ampla leitura de jornais, revistas e livros atualizados, pois esta é a única forma de desenvolver o pensamento. Vamos imaginar você andando na rua e do nada um repórter o aborda com perguntas sobre política, por exemplo, para testar conhecimentos gerais do cidadão. Como a pesquisa de rua trabalha mais com atualidades, a leitura em textos e assistir telejornais é a salvação

No entanto, o programa da disciplina é imenso e nem sempre assimilamos grande parte do conteúdo.

A primeira sugestão, pra começar, é debater com as turmas a situação acima e apresentar outras com uso e abuso de boa criatividade.

O professor entra na sala, dá bom dia, boa tarde ou boa noite, faz as apresentações e pode introduzir a disciplina de maneira motivacional através das questões sugestivas abaixo:

1) Qual o verdadeiro motivo de se estudar História na escola?
2) O que vai influenciar na vida do cidadão?
3) Por que muitos não se interessam pelos acontecimentos sócio-histórico-econômico-culturais de uma nação?
4) Por que saber a história do Brasil? Quando se iniciou e como se divide? Quem são os personagens?
5) Do que se trata a História Geral?

Antes de responder as questões, tenha em mãos uma manchete jornalística, mostre à turma e comente o assunto publicado. Existem edições antigas que podem ser imprimidas. Por exemplo, uma página falando da Primeira Guerra Mundial, como mostrada abaixo.


Em seguida, dizer aos alunos que, anualmente, alguns jornais e revistas abordam textos históricos como homenagem à data do acontecimento de certo fato marcante.

O grande problema é convencer os alunos do porquê saber sobre a Primeira Guerra Mundial e qual a relação dela com o Brasil.

Comentar que a Primeira Guerra Mundial foi o motivo de ingresso de muitos imigrantes que atracaram aqui no Brasil na primeira década do século XX. Para se aprofundar nesse conhecimento, sugiro ao professor que se baseie no vídeo abaixo e vai ajudar muito o aluno nessa jornada do primeiro dia da aula. Ele mostra a entrevista de muitos imigrantes vindos de todas as partes do mundo. Ficaria mais interessante a aula se o professor utilizar data show e, assim, o interesse do aluno tende a aumentar. A apresentação prática faz toda diferença.



Após o debate, responder as questões e dizer que pouco a pouco serão em aulas futuras.

Respostas;

1) Além de ser importante por si só, a História também ajuda a entender melhor Literatura, Geografia, Sociologia, Filosofia, Artes etc. Estudar História não se resume a decorar datas e nomes. Na verdade, isso é só uma pequena parte do conhecimento que essa matéria pode oferecer. Mais importante do que saber quando foi o descobrimento do Brasil, é conseguir relacionar os fatos e perceber que as transformações de uma sociedade não são naturais ou espontâneas, mas determinadas por uma série de fatores anteriores. 
Sempre que tentamos entender por que alguma coisa aconteceu, seja a Inconfidência Mineira ou uma nota baixa na escola, estamos empregando o pensamento histórico, isto é, a busca pelos fatores que originaram esses acontecimentos. "A história não é o estudo do passado pelo passado, é necessário ir ao passado para a compreensão de todos os questionamentos do tempo presente", explica o historiador Tiago Menta. (Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/como-fazer-seu-filho-gostar-historia-641200.shtml)

2) Enquanto algumas lições precisam ser aprendidas na pele, existem outras que podemos dispensar a experiência, como a resolução de conflitos por meio de guerras. "Sem a História toda a humanidade desconhece seus êxitos, fracassos, conquistas e está sujeita a cometer um mesmo equívoco novamente", ressalta o professor da disciplina Marcus Vinícius Leite. 
Esse raciocínio capaz de entender o que existe por trás dos fatos, explicam os professores, forma também um cidadão melhor. "Não é possível conciliar cidadania com ausência de conhecimentos históricos, noções de tempo-espaço, noções de fenômenos processuais (a história como processo humano, social, cultural e político)", explica Tiago Menta. E esse conhecimento é constantemente exigido pela sociedade, seja no momento de votar ou de posicionar-se diante de algum conflito social, como o racismo. (Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/como-fazer-seu-filho-gostar-historia-641200.shtml)

3) Para Cícero, orador romano, a história é magistral vitae, que significa “A mestra da vida”, e com essa expressão, ele queria dizer que com os exemplos do passado, tanto sucessos e grandes feitos quanto tragédias e sofrimentos poderiam servir de lição para a orientação no tempo presente e dos problemas vivenciados.
Ele, no entanto, vivia em um tempo em que a sociedade não era afetada com os artefatos tecnológicos, poluição e problemas psicológicos, assim como muitos outros. A nossa geração não valoriza os exemplos do passado, por isso, a utilidade da história não é mais vista dessa forma.
(Fonte: http://www.estudokids.com.br/a-importancia-de-se-estudar-historia/)

4) Conhecer a história do Brasil e de seu povo é fundamental para entender como se deu a formação de nosso país e aprender por que somos o que somos hoje. 
Iniciou-se há mais de 500 anos, desde a chegada dos primeiros portugueses até os dias atuais.
Em ordem cronológica, a divisão é: Brasil Pré-Colonial, Colonial, Imperial e Republicano.
Os personagens são aqueles que, com suas ações e decisões, buscaram modificar, em maior ou menor grau, a realidade em que viviam e, muitos deles, até transformaram os rumos de uma época.

5) Não somente sobre o Brasil, mas também a História Geral que aborda assuntos muito cobrados em provas - Primeira e Segunda Guerra Mundial, Revolução Industrial e Francesa, Idade Moderna (Renascimento, Reforma Religiosa, Mercantilismo), Crise de 1929, Fatos do Mundo Real (Guerra do Vietnã, Crise do Oriente Médio, O Mundo Socialista).











Leia o texto completo
 
Espaço Docente Aprendiz | by TNB ©2010