Vamos inovar os métodos de ensino para despertar o interesse nos alunos

Professores novatos e os de longa estrada encontrarão preciosas dicas de ensino para melhorar a qualidade das aulas e a participação dos alunos, transformando-os em questionadores e formadores de opinião.

O objetivo é trocar experiências, conteúdos, críticas e sugestões, de modo que os profissionais de ensino fiquem por dentro de como se inicia uma aula incentivadora, sem dar espaço a métodos ultrapassados

"Aprender é descobrir aquilo que você já sabe. Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você!" (Paulo Freire)
A informação é a melhor arma que enriquece o conhecimento
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Introdução à Filosofia no primeiro dia de aula 5ª parte: Interdisciplinaridade


A quinta parte trata-se da interdisciplinaridade da Filosofia com História, Sociologia e Ciências.

Na parte em que se fala de metodologia científica, faltou mencionar a indução, um dos métodos de raciocínio que aborda experimentações para a comprovação de uma hipótese ou mais de uma. Na vídeo-apresentação foi dita apenas a dedução. Enquanto alguns sábios, como o Isaac Newton, usavam a dedução por falta de recursos tecnológicos, com a prevalência somente do raciocínio, a indução conduz a usos de experiências laboratoriais para provar o que se afirma. Galileu Galilei foi um dos pioneiros da indução.

Imaginemos se grande parte do país desenvolve-se o uso da razão em cima dos sentimentos, das emoções e da prisão radical a doutrinas religiosas implantadas pelas autoridades das igrejas e a ideologias criadas por classes dominantes políticas. Dessa forma, o indivíduo exerceria plenamente sua liberdade de reflexão, uma vez que respeitasse a forma de pensar de cada outro e sem a existência de confrontos ideológicos e religiosos por via de agressões verbais e até físicas.

O conhecimento das grandes correntes do pensamento humano, como o Renascimento, o Humanismo e o Iluminismo, transforma a pessoa em um ser independente e difícil de se convencer. Na contramão, infelizmente, muitos são facilmente manipulados e contaminados por certas doutrinas religiosas e ideologias, e quem as criou tenta convencê-los a seguirem-nas. Graças a essas correntes humanas, a Ciência teve condições de avançar, apesar de a Biologia ter caminhado a marcha lenta até atingir um nível considerado de direito junto a áreas de ciências exatas, como na matemática, física e química.

É interessante entender como a Filosofia é exercida no mundo da política, e a maioria não tem essa noção por falta de interesse durante a vida escolar e, quando finaliza a fase estudantil, permanece na ignorância e aceita naturalmente viver sendo enganado de geração a geração. A Revolução Francesa é um exemplo típico de entender os termos ideologia e burguesia. Esse fato histórico visava interesses burgueses e não populares, apesar de ter sido construído sob o lema Igualdade, Liberdade e Fraternidade. É nesse exemplo que entra o conceito de ideologia. Na Filosofia, o que se leva em conta não é o que uma coisa é ou o objeto é. É como essa coisa ou objeto deveria ser. Isso é conceito de ideologia. Já a burguesia é uma classe social de regime capitalista formada por proprietários do capital - comerciantes, industriais e possuidores de riquezas. O oposto dela é o proletariado, a classe operária formada pela força do trabalho. Com isso, é fácil entender a infiltração da burguesia no mundo político, social e econômico. Por isso, vemos frequentemente tantos casos de corrupção envolvendo políticos e empresários.

Se houver grande desenvolvimento de explicações de maneira bem clara e precisa, o ser humano conseguirá aprender a usar o raciocínio em algumas outras áreas acadêmicas, inclusive na própria Filosofia. Seria fantástico, por exemplo, ter o domínio de raciocínio lógico e abstrato para assimilar, em curto prazo, muitos assuntos de áreas exatas como a matemática, física e química. Havendo essa disciplina de conscientização, não haveria tanta dificuldade em conseguir aprovação em concursos e vestibulares.

Vamos agora ao vídeo?


Leia o texto completo

SUGESTÃO DE COMO INICIAR PROBABILIDADES GENÉTICAS


O professor de Biologia pode usar a ilustração abaixo para dar introdução motivacional à aula de probabilidades, com utilização de letras do alfabeto, representando genótipos de uma característica hereditária.


Além disso, a abordagem serve de alerta na determinação estimativa de identificação de paternidade, de maneira descontraída, conforme é mostrada na figura.

Desse jeito, a aula se torna divertida, e a assimilação do assunto é feita a curto prazo.
Leia o texto completo

Introdução à Filosofia no primeiro dia de aula 4.2-6: Teologia e Ciências; Caixa de Pandora e Lendas Indígenas



Nesta apresentação, o professor de Filosofia pode falar da interação da Filosofia com a Teologia e Ciências.
Além disso, é interessante também abordar a Caixa de Pandora e a Origem do Dia e da Noite, que são dois dos ícones da Filosofia, com os personagens Pandora e dois índios responsáveis pelo surgimento da dualidade dia/noite, respectivamente. Ambos têm em comum com Adão e Eva uma das condutas humanas que é a curiosidade.

Para saber mais, assista ao vídeo abaixo:



Leia o texto completo

COMO INICIAR AULA DE ALOTROPIA POR MEIO DO EXEMPLO DO GRAFENO, MATERIAL DE GRANDE REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA


Com essa dica, a aula se torna produtiva e atraente.
O professor de Química pode utilizar recurso audiovisual como o data show na apresentação do aspectos econômico e aplicações tecnológicas da substância. Além disso, usar um cartaz para mostrar a estrutura química do grafeno.
Em seguida, citar outros exemplos de alotropia como o grafite e diamante e ambos podem ser apresentados também por cartaz para fins de comparação com o grafeno quanto à estrutura química.
Perguntar aos alunos o que eles podem concluir após a observação das 3 substâncias. Espera-se que eles respondam que o grafeno, grafite e diamante possuem em comum o elemento carbono, mas diferem entre si em relação à maneira como os átomos ficam organizados nas moléculas, ou seja, o rearranjo dos átomos de carbono, e que devido a isso se transformam em substâncias com propriedades completamente diferentes.
Dizer que a grafite representa a forma mais estável do carbono, já o diamante só é conseguido com pressões e temperaturas altíssimas. Enquanto o grafeno é termodinamicamente instável.
Na finalização de todas as análises, o professor já pode definir o que é alotropia: a capacidade de um elemento químico formar duas ou mais substâncias simples diferentes.
Não apenas o carbono, mas também outros elementos podem formar alotropias. O gás oxigênio (O2) e ozônio (O3) diferem um do outro na atomicidade, isto é, no número de átomos que forma a molécula. Dizemos então que o gás oxigênio e o ozônio são as formas alotrópicas do elemento químico oxigênio. O oxigênio existe no ar atmosférico, sendo um gás indispensável à nossa respiração. O ozônio é um gás que envolve a atmosfera terrestre, protegendo-nos dos raios ultravioleta do sol.O fósforo vermelho e o fósforo branco são alótropos do elemento químico fósforo, que diferem entre si pela atomicidade.
Outros elementos como o enxofre (S) e o estanho (Sn) também formam substâncias alotrópicas.
Jamais esquecer de dizer à turma que ALOTROPIA refere-se somente a SUBSTÂNCIAS SIMPLES.
Enriquecendo a aula: para falar mais sobre o grafeno, o professor pode pesquisar fontes riquíssimas sobre o material que vai mudar a vida de todos nós.
Leia o texto completo

Introdução à Filosofia no primeiro dia de aula 4.1-6: principais pensamentos aplicado...


Nesta apresentação, os principais pensamentos como SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO e PENSO, LOGO EXISTO são aplicados no dia a dia constantemente, embora muitas pessoas não saibam disso e mesmo assim os associam aos fatos tão comuns e que jamais podiam ser imaginados pertencentes a discussões no conhecimento filosófico. 

Para quem almeja se aprofundar na Filosofia, a oportunidade de vincular as teorias dos grandes pensadores filosóficos a cenários da vida real é super produtiva.

Assista ao vídeo:


Leia o texto completo

DICA DE INTRODUÇÃO À AULA DE CLIMA E TEMPO



O professor de Geografia pode utilizar recursos como videoaula, celular, texto de jornal e de revista e questões de provas de concurso e de vestibular.
A sugestão é uma questão de prova de concurso, por exemplo, mostrada na imagem da postagem.
Antes da apresentação do enunciado, o professor pode introduzir a seguinte exposição:
A climatologia é um dos ramos da geografia física que estuda o clima e o tempo.
A climatologia é uma ciência muito importante, pois diversas atividades humanas (agricultura, economia, comércio, etc) dependem de dados do clima para tomar atitudes. Um fazendeiro, por exemplo, necessidade de informações do clima para saber quando, quanto e como poderá plantar e colher determinado gênero agrícola.
Com o uso da tecnologia moderna, principalmente dos satélites, a climatologia atual vem oferecendo dados e informações cada vez mais precisas sobre chuvas, secas, temporais, furacões, geadas, etc. As informações de médio e longo prazo, que antes eram inexatas, agora são geradas com alto grau de acerto pela climatologia.
Com as mudanças climáticas que temos verificado nas últimas décadas, principalmente o aquecimento global, a climatologia tornou-se ainda mais importante. Esta ciência oferece dados capazes de sinalizar para o aumento ou diminuição das temperaturas em nosso planeta.
Após o debate, parte-se para a questão que está na imagem abaixo.
Isso faz com que o estudante já tenha noção da importância do estudo dessa divisão da Geografia.




Leia o texto completo

Introdução à Filosofia no primeiro dia de aula 3.2-6: comparação entre o filme Matrix e a Filosofia Grega


Essa parte da videoaula usa o filme Matrix como referência para o entendimento de algumas ideias mais famosas da Filosofia Grega e associá-las a fatos comuns do cotidiano do mundo de hoje. 

É uma forma de entender cada vez mais o que a disciplina tem de tanta relevância enquanto é estudada do ponto de vista institucional, ou seja, escola e universidade. Mas na aplicação do dia a dia, o número de adeptos tem diminuído devido ao abastardamento intelectual da civilização.

As ideias de Sócrates, Platão e Aristóteles, os filósofos da Grécia Antiga, serviram de inspiração para a produção de Matrix, de 1999. Cada fato e personagem corresponde especificamente à obra de cada um deles.

Por meio de recursos audiovisuais, o professor de Filosofia pode utilizar apenas trechos do filme que se identifiquem com os pensamentos dos três filósofos da época. 

A sugestão dessa parte ajuda a esclarecer a diferença entre dois tipos de mundo: irreal e virtual. Muitos acham que virtual é oposto de real, quando, na verdade, irreal é o contrário de real, enquanto virtual é oposto de pessoal. É o que se chama dualidade, um dos fundamentos filosóficos de Platão, relacionado à exposição de palavras opostas entre si (bem e mal, essência e aparência, luz e sombra, dia e noite, ciência e opinião etc) e explica a obra do mito da caverna comparado ao local em que se encontram os prisioneiros em Matrix.

Neo, o herói do filme, é comparado à Sócrates; Platão às correntes, máquinas e prisioneiros; e Aristóteles é a analogia com o Agente Smith e a Inteligência Artificial.

Vamos então à apresentação?

Leia o texto completo
 
Espaço Docente Aprendiz | by TNB ©2010